Saiba o que muda no seu IRPF

É muito importante saber como declarar o Imposto de Renda levando em consideração seus investimentos. Isso vai evitar problemas com a Receita Federal. Além disso, na hora de fazer a declaração, vai ser possível avaliar o crescimento de seu patrimônio e ver se os investimentos tiveram boa rentabilidade.

Se você investe, você tem obrigação de saber como declarar seu Imposto de Renda, assim você evita cair em malha fina e evita a aplicação de multas.

Quem deve declarar

Deve declarar o IPRF, quem teve rendimentos acima de R$ 28.559,70 ou valores não tributáveis acima de R$40.000 em 2020. Além disso, quem investiu na Bolsa também deve declarar todas as classes que tenha em carteira.

Mesmo que parte dos lucros estejam isentos de tributação, o contribuinte deve inserir na declaração todos os investimentos em carteira referentes a 2020.

Para campos específicos na declaração são considerados:

  • Títulos de renda fixa;
  • Fundos de investimentos;
  • Ações, fundos imobiliários;
  • Saldo de conta poupança;
  • ETFs;
  • Investimentos no exterior;
  • Valores em criptomoedas.

Como declarar?

Para Investimentos mantidos, deve-se reportar na ficha “Bens e Direitos” da declaração. Já os rendimentos obtidos com eles, devem ser anotados em outras fichas. Cada código corresponde a um investimento diferente.

Veja abaixo 02 tipos de investimos e como são feitas as alíquotas sobre cada uma delas:

IRPF sobre o Fundo de Investimento de Ações

 O Imposto de Renda que incide sobre os fundos de investimento de ações, é determinado sobre o valor bruto do fundo no momento do resgate. Não importa o prazo da aplicação, a alíquota de 15% incide sobre o valor total.

IRPF e os Fundos de Investimento de Curto Prazo

Os Fundos de Investimento a Curto Prazo têm a incidência do Imposto na fonte. A alíquota que incide sobre esse fundo é de 22,5% sobre o lucro obtido no prazo de 180 dias e de 20% nos prazos acima de 180%. Os Fundos de Investimento de Curto Prazo são aqueles quais a carteira de títulos tenha prazo máximo ou inferior a 365 dias.

Vale lembrar que esse tipo de investimento está sujeito ao recolhimento semestral do Imposto de Renda, que ocorre sempre nos dias 31 de maio e 30 de novembro, respectivamente e é conhecido como come-cotas. A alíquota nesses casos é de 20%.

IRPF sobre os Fundos de Investimento de Longo Prazo

 O Fundo de Investimento a Longo Prazo também está sujeito a incidência de Imposto na fonte. A alíquota que incide sobre esses fundos são:

  • 22,5% sobre o lucro de aplicações de até 180 dias;
  • 20% sobre o lucro de aplicações de 181 a 360 dias;
  • 17,5% sobre o lucro de aplicações de 361 a 720 dias;
  • 15% sobre o lucro de aplicações superior a 720 dias.

Os Fundos de Investimento a Longo Prazo, estão sujeitos ao recolhimento semestral do Imposto, que ocorrem nos dias 31 de maio e 30 de novembro, respectivamente, conhecido como come-cotas. Nesses casos a alíquota é de que 15%.